Rio - O laudo de exame em local de constatação de morte realizada por agentes do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) no apartamento onde Mateus Correia Viana e Nathalia Guzzardi Marques foram encontrados mortos, no Leblon, na Zona Sul do Rio, concluiu que o casal foi vítima de "inalação contínua em ambiente enriquecido por monóxido de carbono". Segundo o resultado, ao qual o DIA teve acesso, Mateus e Nathalia sofreram uma asfixia química, provocada pela combustão do aquecedor de água instalado no banheiro, sem a observação Normas Técnicas Brasileiras (NBR).
Ainda de acordo com o laudo, testes feitos no apartamento do casal para reproduzir o funcionamento do aquecedor, demonstraram o aumento da concentração de monóxido de carbono "em nível 50 vezes superior ao máximo esperado e cerca de sete vezes a concentração limite de exposição ambiental no trabalho". A perícia indicou a falha do processo de exaustão dos gases de combustão do aquecedor.
Mateus e Nathalia foram encontrados sem vida na noite do dia 22 de junho, no banheiro de um apartamento, na Rua Bartolomeu Mitre, no bairro do Leblon. A Polícia Civil abriu inquérito para investigar as mortes. Segundo o resultado do laudo produzido pelo Instituto Médico Legal (IML), os corpos apresentaram "sinais gerais asfixia" provocada por intoxicação.
Fonte: Jornal O Dia